domingo, 30 de junho de 2013

You oughta know...

Eu acho que a Alanis Morissette teve uma luz divina sobre sua cabeça ao escrever essa letra. É o tipo de música que todo cara canalha deveria receber um dia.

Didn't you want a song of ours? This is our music! ;)





Quero que você saiba
Que estou feliz por vocês
Não desejo nada além
Do melhor para vocês dois

Uma versão mais velha de mim
Ela é pervertida como eu?
Ela faria sexo oral com você no teatro?
Ela fala eloquentemente?
E ela teria seu filho?
Tenho certeza que ela seria uma mãe excelente!

Porque o amor que você deu e que construímos
Não foi capaz de fazer
Com que você se abrisse totalmente, não
E toda vez que você fala o nome dela

Ela sabe como você dizia que me teria
Até você morrer, até você morrer?
Mas você ainda está vivo

E estou aqui para lembrá-lo

Da bagunça que você deixou quando foi embora

Não é justo me negar

Da cruz que eu carrego e que você me deu

Você, você, você precisa saber

Você parece muito bem
As coisas parecem em paz
Eu não estou tão bem assim

Achei que você deveria saber

Você se esqueceu de mim, Sr. Falsidade?
Detesto incomodá-lo durante o jantar
Mas foi um tapa na cara

O quão rápido fui substituída
E você fica pensando em mim enquanto transa com ela?


(...)


Porque o brinquedo que você levou para cama

Era eu, e eu não vou sumir tão cedo
Assim que você fechar seus olhos e você sabe disso
E toda vez que arranho as minhas unhas

Nas costas de outra pessoa, eu espero que você sinta
Bem, você consegue sentir?

E estou aqui para lembrá-lo

Da bagunça que você deixou quando foi embora

Não é justo me negar

Da cruz que eu carrego e que você me deu

Você, você, você precisa saber!



sexta-feira, 28 de junho de 2013

É claro que eu não poderia competir com as amigas de 16 anos dele. Aquelas que vestem salto alto até pra ir em um pub tomar cerveja e tiram fotos fazendo duck face. Depois tiram milhões de foto da latinha de cerveja só pra provar que estão bebendo. Aquelas que tem 100 curtidas na foto do decote no facebook e que usam a menor roupa que encontrar no guarda roupa pra ir na balada que, teoricamente, elas não tem idade pra entrar.

Meu cachorro usa roupa maior, só pra constar.

A garota que ele ficou depois de me dispensar acha que 50 tons de cinza é literatura. Ele já foi professor de inglês, devia ter um senso crítico sobre isso. Eu jurava que ele tinha. A gente conversava sobre tantas coisas inteligentes, como ele consegue ouvir sobre 50 tons de cinza agora?

Mas claro, eu entendo eu não ser tão interessante assim. Eu uso sapatilhas, não fico bêbada com duas latinhas de cerveja e não preciso provar nada no Instagram. Eu só posto foto feia no facebook, a maioria sem maquiagem. Deve ser uma chatisse estar do lado de uma pessoa como eu, que vai apresentar um tabalho Congresso Nacional relacionado à sua profissão. Que embora ache que não fala inglês, perto dele que dava aulas, traduziu dezenas de livros pra publicar um artigo super elogiado. Que anda lendo sobre Edgar Allan Poe e conseguiu aprender o francês básico sozinha. Então eu entendo não ser tão interessante assim.

Talvez eu fugisse da zona de conforto dele. Talvez ele prefira garotas, com os mesmos gostos fúteis à alguém que, apesar de todas as paranóias, neuras e crises até que tem sucesso na vida. Eles tem medo das bem sucedidas, já me disseram.



Garotos...

Eu tenho esse problema sério, de viver 10 dias em 1. Então, se eu tiver que chorar, eu choro um mar, pra amanhã e o resto da semana ficar bem. Não gosto de sofrer aos poucos. Não gosto de pensar que posso falar com a pessoa semana que vem, se eu posso falar hoje. Eu gosto do imediatismo, do aqui e do agora, tudo de uma vez. E você deveria ter notado. Notou tantas coisas em mim, mas esqueceu essa.

Agora me diz, qual é a parte da piada que eu não entendi.

Pensei em conversarmos semana que vem, onde ambos estariam mais calmos. Eu precisava me desculpar, descarreguei minha raiva em você e não queria que terminasse assim. Mas quis falar hoje, por motivos sem nexo que inventei na minha cabeça. Motivos sem nexo que fariam de hoje um dia melhor pra conversar. Daí você simplesmente me responde "Depois a gente tenta algo, sério. Agora não dá".

Eu fui te pedir desculpas e você achou que eu fui te implorar uma segunda chance? SÉRIO? Tipo assim... S-É-R-I-O?

Você deve saber que eu estou sofrendo. Eu sempre deixei claro meus sentimentos por você. Mas agora um "Oi, queria pedir desculpas pela minha falta de paciência. Entendo seus motivos, tenha uma boa vida" virou um "Por favor, estou morrendo sem você, só você pode me fazer feliz, bjs me liga"? Jura que você entendeu isso?

Você ser mais novo que eu até parecia interessante. Até te achei cabeça pra sua idade. Mas na verdade, garotos são sempre garotos. Aposto ainda meu violão que você deve estar se exibindo pros seus amigos falando que saiu com uma garota mais velha, que a usou, jogou fora e que ela "está completamente apaixonada e correndo atrás de você".

Mas quer saber o que me deixa mais brava? Saber que eu cheguei até aqui porque eu quis. Não foi você que me obrigou. Eu fui porque quis e me sinto duplicamente idiota por isso. Eu quis. Eu quis ter um cd de músicas só nossas, eu quis me perder nos seus braços.

Mas que idiota que eu sou.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Pensamento inteligente do dia:

As múmias são zumbis do Egito! :)


Precisando ir aproveitar minhas férias em 3, 2, 1...

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Closer - Perto demais

Closer - Perto demais, o filme da minha vida. Curando corações partidos desde 2007. 
Juro que hoje já me sinto mais forte.

E acabo de ver que amanhã vai passar na Sony às 21h. É um sinal do universo dizendo que já é hora de recomeçar.




Planos.


Tantos planos que você cortou pela metade. Eu ainda queria tocar aquela música no seu violão, que você tinha me pedido. Eu ainda queria enroscar meus pés no seu como nós fizemos aquela tarde.  Queria cuidar de você, mesmo você duvidando que eu sou capaz disso e queria te mostrar aquelas coisas da faculdade que tem a ver com sua luta. Eu fiquei te devendo isso. Eu quis afagar seu cabelo quando você se sentiu triste e eu planejei um milhão de coisas pra te fazer sentir melhor. Você ficou me devendo umas aulas de inglês e eu, em débito de te mostrar meu quarto bagunçado.
Eu queria dançar com você, que você me pegasse no colo ou que num gesto simples, arrumasse meu cabelo. A gente até podia ouvir suas músicas chatas se você quisesse. Eu estava disposta a ouvi-las. Também queria que a gente pudesse ouvir mais músicas no meu carro, ainda tinham várias que não escutamos juntos.  Só queria mais mordidas. Aquelas nossas mordidas, onde eu puxava seu brinco, mordíamos o braço um do outro ou você mordiscava meu dedo. Mas o que eu queria de verdade era ter seu coração. Poder entrar nele e descobrir o que se passa nessa cabeça confusa sua. Queria poder ter feito você gostar de mim. Eu posso ter perdido a cabeça mil vezes, ter sido uma chata e perturbada, mas eu me esforcei pra isso. Eu te entreguei meu coração sem sombra de dúvidas, mas o maior débito que você me deixou foi não ter me dado o seu.

domingo, 23 de junho de 2013

Paciência



Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não para...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta pra perceber?
Será que temos esse tempo
Pra perder?
E quem quer saber ?
A vida é tão rara
Tão rara...


Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não para
A vida não para não...

Será que é tempo
Que lhe falta pra perceber?
Será que temos esse tempo
Pra perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...


Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não para
A vida não para não...
A vida não para...


quarta-feira, 19 de junho de 2013

Queria que você estivesse aqui.


Porra, eu te contei hoje sobre um dos meus problemas. Um problemão, aliás. Te contei de manhã e você ficou na sua. Desabafei com você a noite e você me conforta falando que está aqui pra mim. Mas não está. Porque eu estou desesperadamente assustada e você vai embora sem ao menos dizer boa noite.  Sem ao menos oferecer seu ombro pra eu chorar no dia seguinte.  Você me faz envolver até a cabeça por você, e quando eu faço isso você corre pra trás.
É como seu eu me afundasse dois passos dentro de você e você recuasse três. Sempre mantendo aquela distância de segurança entre nós. Delimitando onde eu posso chegar. É como seu eu tivesse que medir meus atos pra não te invadir, porque quando eu acho que estamos confortavelmente íntimos eu tenho que me afastar.
Quando será que vamos crescer e decidir o que queremos? Eu e você. Principalmente eu, mas você. Eu mais você. Porque é isso eu quero. Somar. Retribuir o tanto que você me acrescenta quando eu estou com você. Parar de ser pré adolescente e postar em redes sociais "Como eu queria que você estivesse aqui" esperando que você adivinhe que seja pra você. Quero te falar isso, olhando nós seus olhos, com os pés enroscados nos seus, deitada no seu ombro. Daquele jeito só nosso. Ou só meu, que busco seus pés de encontro pra me confortar a falta que você vai fazer no resto da semana.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Parece amor, mas não é.

Eu me odeio no momento porque peguei as manias dele. Ele estrala os dedos de um jeito estranho perto de mim, e eu me pego fazendo igual. Eu já expliquei que estralar os dedos degenera a articulação. Mas ele não me escuta. E eu sei que degenera. Mas estralo também. Porque é uma mania dele.
Eu abomino o tipo de música que ele escuta, mas me proponho a ouvir e dar uma opinião imparcial, pra ser justa com o seu gosto musical de garoto. Ele escuta minhas músicas de queria-ter-nascido-nos-anos-oitenta sem reclamar. Merece que eu finja que gostei de alguma coisa. E ele sabe muito bem que eu estou fingindo.
Quando ele me diz que está de bermuda em um frio colossal de 5 graus celsius e eu ainda estou na cama lendo embaixo das cobertas, eu tiro o pé pra fora só pra poder sentir o frio também. Eu tento ser forte como ele. Suportar um pé pra fora de duas cobertas, mas sou vencida sempre.
E ele tem uma mania engraçada de pegar minha mão direita e morder meu indicador. Quando eu estou no meio de uma conversa com ele, ele pega meu indicador e mordisca. E eu me desconcentro, porque é desconcertante ver aquele menino lindo na minha frente mordendo o meu dedo indicador. E quando estou fazendo alguma coisa ociosa longe dele acabo mordendo o indicador também. Lembro dele e rio.
Passei a gostar mais de beijos no pescoço, porque é o ponto fraco dele. Se ele quiser, pode ser o meu também, embora não seja necessário, porque todo ponto meu é fraco ao lado dele.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Brother's stuff

Aquele momento que você pega o celular do seu irmão e tem umas 10 mensagens da ex namorada dele:

- Aonde você está?
- Eu estou aqui te esperando na porta.
- Você não vai aparecer?
- Eu estou arrombando sua porta.
- Arrombei sua porta.
- Estou dentro da sua casa.
- Cadê você?
- Você foi dormir fora? Com quem?
- To quebrando tudo aqui. To avisando.

E nenhuma resposta.

Desce a barrinha do touch screen, e para em uma conversa de semanas depois:

- Oi meu amor. Não consigo mais parar de pensar em você. Não vivo, não respiro sem ti. Posso te ver? Vou passar aí agora pra podermos conversar. Não esqueça que eu te amo e sinto sua falta.

Ele responde:

- Estou indo pro forró e volto só na madrugada.


Preciso ter algumas aulas de desapego, respostas diretas e anulação de sentimentos com ele.

domingo, 16 de junho de 2013

sábado, 15 de junho de 2013

A batalha dos vegans.

Batalhando friamente por uma dieta sem carne. Mas ainda existem o presunto e o salame na minha vida. Por que Deus que salame tem que ser tão gostoso? Eu tenho olhar e sentir nojo. Mas não. NÃO DÁ.
E o presunto, que vai bem em tudo? Em massa, em grãos, no frio, no quente. Podia ser mais limitado. Mas insiste em ir bem com tudo.

Por que soja não tem gosto de salame?

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Porque todo mundo já teve um dia sua vida espalhada em caquinhos. Quebrada em mil pedacinhos pelo chão. Mas a gente cola. A gente sempre junta forças e cola. Porque assim é a vida, que peca por não ter uma super cola que faça com que as coisas ficassem coladas por mais tempo.